sábado, 27 de fevereiro de 2010

Pedaços

A vida muda rápida e bruscamente e se acostumar não é tão simples assim.
Amanhã mesmo estou indo pra Uberlândia, terra natal.Eu, que passei as férias e onze ou doze anos da minha existência em Patos de Minas ,o último semestre em Brasília.Tudo muito rápido, um quebra-cabeças de sensações, um jogo que confunde sentimentos.Não há nem mesmo tempo para se acostumar à elas, apenas aceitar.
Há quanto tempo não me sinto inteira?!Nunca mais fui completa, só fragmentos.É duro ter partes do seu coração espalhados em cantos distantes.Dizem por aí que as distâncias diminuiram com o avanço da tecnologia nos meios de comunicação, mas pra mim isso é balela.Uma conversa no telefone ou no computador não permite que eu use dos meus sentidos humanos.A audição não é a mesma por um aparelho, elas não passam expressões e pecam nas vibrações.Eu não posso sentir o cheiro familiar,não posso sentir o gosto peculiar, não posso ver o brilho nos olhos e muito menos sentir o toque na pele ou o abraço apertado e confortante.Isso nenhuma invenção supre, anão ser  que aprendamos a nos teleportar.Isso sim seria mágico e especial.
Nessa selva a gente é obrigado a abrir mão de tanta coisa pra conseguir algo que no final nem tem tanta importância quanto nós pensamos ter.Mas o ritimo é constante, não é permitido parar.Somos obrigados a estar sempre escolhendo, e escolhas inevitavelmente envolvem perdas.Coisas que pareciam ser tão simples de serem alcançadas se tornam cada vez mais complicadas.E eu vou aprendendo a ser fragmentos, querendo ser completa.

Ouro de tolo - Raul Seixas

Eu devia estar contente
Porque eu tenho um emprego
Sou um dito cidadão respeitável
E ganho quatro mil cruzeiros por mês



Eu devia agradecer ao Senhor
Por ter tido sucesso na vida como artista
Eu devia estar feliz
Porque consegui comprar um Corcel 73



Eu devia estar alegre e satisfeito
Por morar em Ipanema
Depois de ter passado fome por dois anos
Aqui na Cidade Maravilhosa



Ah! Eu devia estar sorrindo e orgulhoso
Por ter finalmente vencido na vida
Mas eu acho isso uma grande piada
E um tanto quanto perigosa



Eu devia estar contente
Por ter conseguido tudo o que eu quis
Mas confesso abestalhado
Que eu estou decepcionado



Porque foi tão fácil conseguir
E agora eu me pergunto: E daí?
Eu tenho uma porção de coisas grandes
Pra conquistar, e eu não posso ficar aí parado



Eu devia estar feliz pelo Senhor
Ter me concedido o domingo
Pra ir com a família ao Jardim Zoológico
Dar pipoca aos macacos



Ah! Mas que sujeito chato sou eu
Que não acha nada engraçado
Macaco praia, carro, jornal, tobogã
Eu acho tudo isso um saco



É você olhar no espelho
Se sentir um grandessíssimo idiota
Saber que é humano, ridículo, limitado
Que só usa dez por cento de sua
Cabeça animal
E você ainda acredita que é um doutor, padre ou policial
Que está contribuindo com sua parte
Para nosso belo quadro social



Eu que não me sento
No trono de um apartamento
Com a boca escancarada cheia de dentes
Esperando a morte chegar

Porque longe das cercas embandeiradas que separam quintais
No cume calmo do meu olho que vê
Assenta a sombra sonora de um disco voador

Eu que não me sento
No trono de um apartamento
Com a boca escancarada cheia de dentes
Esperando a morte chegar



Porque longe das cercas embandeiradas que separam quintais
No cume calmo do meu olho que vê
Assenta a sombra sonora de um disco voador


ps: Raul Seixas me lembra infância e essa música especialmente diz muito sobre o post, numa dessas conversas que se tem com a mãe a música se mostra ainda mais reveladora.Sem mais, é bom que cada um tenha a sua interpretação e além do mais, "pra bom entendedor meia palavra basta".

3 comentários:

Altair jr disse...

Pois é meu amor, a estrada da vida é cheia de pedras e espinhos!Temos que ficar ligados a tudo que rola em volta, temos que driblar os obstáculos e correr contra o tempo.
A familia é algo que nos fortifica! mais aprender suportar certos sentimentos é oque nos fortalece! Infelizmente vivemos em um mundo consumido pelo capitalismo, e para que um dia a gente possa sobreviver a todas as desgraçás que Há de vir devemos estar preparado, e para isso precisamos de mais estrutura ! Nao sabemos nosso tempo na terra mais oque podemos fazer é desfrutar do bem mais importante que existe para o ser que é o conhecimento ! E aproveitar cada momento como se fosse o ultimo, mais é claro sempre com sabedoria ! Força na sua nova fase, vou está aqui sempre para o que der e vier ! Te amo =*

l a l a h disse...

Seu texto ficou muito bem escrito Nayara. Eu sei como você se sente, por que há mais de dois anos vivo dividida... também compartilho da sua opinião de que a tecnologia não diminui tanto as distancias, é muito frio, superficial.... é necessaria a troca de energia humana para satisfazer minha saudade.
E sim, na vida é preciso se acostumar.... mas não se acomodar. Você precisa se acostumar com o que não pode ser mudado a curto prazo, mas sempre tramando a mudança... Quem se acomoda é fraco, fortes são os que lutam, lutam contra si mesmos para poder conseguir algo há longo prazo muito valioso.
Sorte para você em Uberlandia, continue tentando, sua hora vai chegar.

O Andarilho disse...

Nay, não fica assim não!
Saiba que você deixou uma sementinha em cada lugar que passou! E tem várias delas aqui em Brasília! ^^

Esse momento pode parecer um pouco penoso, mas tenha certeza que será um tempo de muitas aprendizagens! ^^

Saudades!!